quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Hemograma - Diminuição na contagem de plaquetas

Não é infreqüente um paciente sem doença conhecida realizar exames de rotina e encontrar no laudo do hemograma baixa contagem de plaquetas. O texto abaixo explica os motivos para que este achado mereça ser valorizado pelo paciente.

As plaquetas circulam no sangue e são fundamentais para formação dos trombos, verdadeiros tampões que cessam o sangramento. Elas são produzidas na medula óssea a partir da célula tronco hematopoiética. Portanto baixa quantidade de plaquetas pode predispor a fenômenos hemorrágicos.

A contagem aceitável como normal é ao redor de 145.000 a 450.000 plaquetas/mm3. Entretanto é preciso saber que 2,5% da população saudável têm contagem ligeiramente inferior.Cabe ao médico fazer esta avaliação.

Existe uma situação em que não existe baixa contagem de plaquetas de forma real, mas por agregação das plaquetas no tubo da amostra coletada pode induzir aparelhos automatizados a contarem de forma equivocada. Este achado chama-se pseudoplaquetopenia e está presente em 0,1% da população de pessoas sadias. Cabe ao médico fazer o diagnóstico deste achado.

É possível encontrarmos pacientes com sintomas decorrentes da baixa contagem de plaquetas apresentando manifestações hemorrágicas ou pacientes completamente assintomáticos. Embora os pacientes sintomáticos sejam teoricamente mais graves, todas as pessoas com esta alteração encontrada no hemograma devem procurar serviço médico.

Há vários tipos de manifestações hemorrágicas decorrentes da contagem baixa de plaquetas é possível encontrarmos alguns desses sintomas como sangramento nasal, gengival, menstrual (excessivo), gastrointestinal, pele, oftálmico, etc.

Duas questões:

1) Qual a causa deste problema?

A maior importância deste tema para o leigo é que há inúmeras causas que levam a baixa contagem de plaquetas (tanto de forma leve, como acentuada). Estas causas são muito amplas podendo ser decorrentes de medicações, infecções, inflamações, doenças do fígado, doenças do sangue propriamente ditas, cânceres entre outras causas. Portanto a valorização deste achado pode antecipar o diagnóstico de inúmeras doenças, auxiliando o tratamento na maioria dos casos.

2) Qual é o risco deste problema?

Outro fator deve-se ao risco de sangramentos espontâneos, estudos demonstram que contagem de plaquetas menores que 20.000/mm3 pode predispor a sangramentos independentes de qualquer trauma e que estes sangramentos espontâneos podem ser fatais dependo da sua localização e intensidade da hemorragia. Portanto caso você encontre este achado laboratorial (contagem de plaquetas < 20.000/mm3) com ou sem sintoma entre em contato com o seu médico imediatamente, caso não consiga contato procure um pronto-socorro, pois estas situações necessitam de avaliação médica precoce.

11 comentários:

  1. Olá,
    Gostei muito desta postagem, pois convivo com a variação da contagem de plaquetas em função do tratamento quimioterápico.
    Quando utilizo doxorrubicina a contagem chega perto de 30.000/mm³, mas não tenho apresentado problemas de recuperação e dentro de um certo tempo a contagem volta ao normal.
    Obrigado pelos esclarecimentos e parabéns pelo Blog.

    Abraço,
    Vitor Finkler

    ResponderExcluir
  2. boa noite!
    Fiz um exame recentemente e fiquei com algumas duvidas, minhas taxas de plaquetas ficaram em 42.000, e os leucocitos em 14.200
    como é fim de ano e fiz exame no pronto socorro, nao tive um diagnostico muito preciso
    devo ficar preocupada com essas taxas?

    ResponderExcluir
  3. Boa noite. Fiz um hemograma e meu exame deu 145.000, fui ao clinico geral que me indicou um hamatologista. Estou bastante preocupada com isso pois estao aparecendo manchas roxas na perna.

    ResponderExcluir
  4. Oi meu nome é Daniela, meu filho tem 1 ano e exames feito recentemente apontaram plaquetas baixas em torno de 124000 mm/3. Ele nasceu com traço de Talassemia. Tem algum risco para meu filho?

    ResponderExcluir
  5. gostaria de saber se minhas plaquetas estao nomal deu o valor de 11.5.000 tenho29 anos estou um pouco preulpada me responde des de ja agradeso

    ResponderExcluir
  6. Meu pai está internado há 02 dias com sintomas de PTI, e começou a tomar metilprednisolona há um dia, e seus indices de glicemia q antes eram entre 90 e 100, agora estão em 262 e 264. A enfermeira falou q era consequencia da ingestão deste corticosteróide, e começou a aplicar-lhe insulina - dizendo q ele teria q tomar 6 doses p/ este índice de glicemia. É normal? Diabetes adquirida por tratamento contra a púrpura (PTI)?

    ResponderExcluir
  7. No paciente com dengue na idade de 46 anos, a queda das plaquetas é muito preocupante?
    Ha necessidade de internação para o acompanhamento da contagem das plaquetas?

    Gilson Clennes

    ResponderExcluir
  8. boa noite, meu pai fez um exame de plaqueta e deu muito baixa. 49 mil. ele trabalha com produtos com o cheiro muito forte a anos, como o tinner, e toma muitos remédios, como para colesterol, convulção, e outros. queria saber se isso pode ter afetado na baixa das plaquetas?

    ResponderExcluir
  9. Bom dia, fiz o exame de plaquetas a 3 meses atrás deu baixa 42 mil e agora depois de 3 meses reefiz o exame minhas plaquetas continua baixa 42 mil estou super nervosa e ando com mt tontura.dor de cabeça e com vontade de vômita q será isso?

    ResponderExcluir
  10. Boa noite meu nome é Flammarion sou de Recife- PE precisei me submeter a uma cirurgia oftamologica as minhas plaquetas estavam em 56000 e precisei tomar transfusão de 07 bolsas de plaquetas sou potador da doença de Still no adulto já me submeti a todos os tipos de exame so que não encontrei uma resposta preciso de um conselho qual o tipo de exame devo fazer para saber qual p motivo ou qual órgão está sequestando minhas plaquetas

    ResponderExcluir
  11. Qual o exame mais preciso para detectar o que causa as quedas de plaquetas?

    Quem puderem me ajudar nessa resposta ficarei muito grato.

    ResponderExcluir